Um mar de saudades , 18 de Outubro de 2015, 3:00 am. Botei a cabeça no…

“18 de Outubro de 2015, 3:00 am. Botei a cabeça no travesseiro e comecei a pensar na vida, como faço em todas as madrugadas. Lembrei de como era feliz há alguns anos atrás. Sem problemas, preocupações ou desafetos. Era só eu e meu pote de bolinhas de gude, andando pela rua, brincando com meus primos e vizinhos. Aquele sorriso no rosto era o mais sincero, não havia mágoas por trás dele. Não era só um simples movimento de músculos da face, junto com aquela feição alegre, era possível sentir que a alma também sorria…E eu me pergunto: É isso que a gente tem quando cresce? Quer dizer, olha só pra minha vida agora, eu só tenho problemas, responsabilidades, insônias por enes motivos, menos e menos razões para sorrir com sinceridade. A vida fica séria da noite pro dia e mostra que a brincadeira acabou, mas logo agora? Eu brinquei tão pouco. Se eu soubesse que a vida seria tão dura assim comigo, eu teria me preparado melhor. Avisasse antes né!?” – Aluardes and Principar.
Continue reading “Um mar de saudades , 18 de Outubro de 2015, 3:00 am. Botei a cabeça no…”